CARREGANDO

Busca

Acolhimento do Reino

No centro do evangelho de Jesus está o Reino de Deus. O Reino de Deus está inteiramente ligado a pessoa e atuação de Jesus, irrompe por meio dele, e é dom gratuito de Deus. Efetiva um novo relacionamento com Deus e as pessoas tomando o amor como caminho. Jesus apresenta como sinais do Reino, a cura e libertação do ser humano daquilo que lhe atormenta e impede sua dignidade, incluindo a libertação do domínio da morte. O Reino anunciado por Jesus é sinônimo de banquete, onde há alegria, comunhão, partilha, pão e vinho em abundância, onde todos podem saciar-se na comunhão com Deus que é plenitude da vida.
A comunidade cristã ainda reza unida: venha a nós o vosso Reino, sem perceber talvez, que é preciso o acolhimento do Reino por sua parte. O desejo é que a vontade de Deus seja feita aqui na terra, na urgência de nossas necessidades, porém esquece que é de sua responsabilidade agir conforme a vontade de Deus para que o Reino esteja presente. No horizonte da vivência cristã, o Reino de Deus é a meta e direção, mas também força atuante a partir do agora. Situa-se como esperança concreta da realização das promessas de Deus para seu povo. A criação espera pela redenção e plenitude da vida realizada em Deus. Nesse esperar, trilha por esse futuro aberto inaugurado por Jesus.
Rompendo o silêncio de Deus, Jesus dá a se conhecer e nisso dá de conhecer ao Pai. Jesus mostra um Deus compassivo, amoroso, presente, e capaz de amar o ser humano à loucura da cruz. Deus ouve novamente o clamor de seu povo age decisivamente na sua história. É chegada a hora, o Reino de Deus se apresenta, não como uma nova ideologia política ou uma ilusão religiosa infértil, mas como um despertar de uma nova consciência de Deus e da vida, uma graça autêntica e incomparável. O Reino é apresenta-se como um convite aberto a toda a humanidade. Um convite à espera de uma resposta. O momento é decisivo, acolher definitivamente o Reino de Deus é uma decisão que enseja lutar a cada dia por uma vida melhor.

O Reino é apresenta-se como um convite aberto a toda a humanidade

Giovanni Mattiello

Últimas colunas